• Drª Ivia Magalhães

Fibromialgia: De onde vem tanta dor?


➡ O que sempre falo para os meus pacientes com fibromialgia e para os seus familiares é que a fibromialgia é uma condição real e não apenas da imaginação do paciente, além de ser capaz de levar a um quadro de dor crônica com etiologia ainda pouco conhecida [Best Pract Res Clin Rheumatol. 2011 Apr;25(2):133-9], embora há evidências que pode ser relacionada com aumento de citocinas inflamatórias e estresse oxidativo (Epub 2014 Mar 11).

Diversos estressores físicos e /ou emocionais podem desencadear ou agravar os sintomas, inclusive trauma emocional ou físico [ Epub 2011 Jul 19. ]. O que se sabe muito bem é que muitos pacientes com fibromialgia quando se sentem mais tristes ou estressados, apresentam piora dos sintomas. E se nao entedermos e buscarmos as causas, há uma grande tendência ao uso aumentado de medicamentos.


➡Existe a possibilidade de componente genético na fibromialgia. Alguns estudos demonstraram que a freqüência de variações genéticas associadas à baixa atividade da enzima COMT foi significativamente maior em pacientes com FM do que em voluntários saudáveis ​​[Epub 2012 Apr 24. ].


➡Um estudo demonstrou que a hiperreatividade da resposta ao estresse (anormalidades do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA)) alterada pode estar ligada a trauma na infância, especialmente abuso físico. Esses achados sugerem que experiências traumáticas graves na infância podem ser um fator de desregulação neuroendócrina em adultos portadores de fibromialgia. A história de trauma deve ser avaliada e a intervenção psicossocial pode ser indicada como um componente do tratamento da fibromialgia.[Psychoneuroendocrinology. 2006;31(3):312. Epub 2005 Nov 7. ]. Por isso a importância de avaliar todo o histórico do paciente.


➡Os pacientes com fibromialgia percebem estímulos como calor, corrente elétrica ou pressão, de uma forma mais dolorosos do que quando comparado com pessoas saudáveis (Clin Rheumatol. 2007;26(4):465. Epub 2006 Nov 18. ). Dados mais limitados, usando tomografia por emissão de pósitrons, mostraram redução da atividade dopaminérgica na resposta à dor em pacientes com fibromialgia em comparação com controles [Epub 2006 Oct 4.)


➡Uma parte dos pacientes com fibromialgia apresentam transtorno de ansiedade generalizada, enxaqueca, depressão, síndrome do intestino irritável, alterações do humor. Geralmente respondem melhor a um programa de tratamento multidisciplinar e individualizado.( JAMA. 2014 Apr;311(15):1547-55. )


➡Durante um tempo se pensou que a dor muscular era de patologia primária mas estudos demonstraram que a patologia muscular é secundária à dor e à inatividade física, em vez de ser de natureza primária. Outros estudos sugerem que o estresse oxidativo e a disfunção mitocondrial podem ter um papel no processo da doença [Neuro Endocrinol Lett. 2010;31(2):169. ].


➡A qualidade do sono é outro parâmetro que deve ser ser avaliado nesses pacientes. Os padrões de sono desordenados precedem o desenvolvimento da dor e que o sono anormal e a dor predizem sintomas depressivos ( heum Dis Clin North Am. 2009;35(2):275. )


Diante do exposto vemos que o estilo de vida pode ajudar ou prejudicar os pacientes com fibromialgia, que em geral, apresentam outras condições associadas. Uma boa higiene do sono, o tratamento de comorbidades que possam contribuir para os sintomas, incluindo transtornos do humor ou do sono, a prática de exercício físico, incluindo aeróbio, alongamento e fortalecimento muscular, terapia mente/ corpo, podem auxiliar de forma SIGNIFICATIVA os pacientes com fibromialgia.

Av. Tancredo Neves, 2915, CEO Salvador Shopping, Torre Nova Iorque, sala 1702 - Caminho das Árvores - Salvador, BA, Brasil - 41820-021

Rua Doutor Nicolau de Sousa Queiroz, 177 - Vila Mariana - São Paulo / SP

Drª. Ivia Magalhães

Médica

CRMBA: 25830/ RQE: 15596

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

© 2020 por Ivia Magalhães.