• Drª Ivia Magalhães

Enxaqueca: Quando os remédios não são suficientes

A enxaqueca é caracterizada como uma dor de cabeça geralmente associada a náuseas e/ou sensibilidade à luz e ao som. Ocorre pela associação de fatores genéticos, ambientais e, em alguns casos, hormonais. Em muitos casos, leva a uma piora na qualidade de vida de muitas pessoas. Ao contrário do que muitos pensam, não é frescura. Esse mito de relacionar a enxaqueca com frescura ocorre, porque, em geral, o paciente não apresenta alteraçōes nos resultados de exames, apesar de sofrer com os sintomas.


Os principais objetivos da terapia preventiva são:

- Redução da frequência, gravidade e duração da crise

- Melhoria da capacidade de resposta ao tratamento de crises agudas

- Evitar a progressão ou transformação de enxaqueca episódica em enxaqueca crônica


São utilizadas várias classes de medicamentos para a prevenção da enxaqueca, mas as doses necessárias podem levar a efeitos colaterais intoleráveis.


Não adianta achar que apenas os medicamentos serão a solução, se não houver melhora ou gerenciamento dos fatores desencadeantes e, muitos deles, estão relacionados ao estilo de vida e alimentaçāo.


Fatores precipitantes e exacerbadores: estresse, menstruação, estímulos visuais, anticoncepcionais, mudanças climáticas, jejum, vinho e alguns alimentos são prováveis ​​fatores desencadeantes de enxaqueca, enquanto que os distúrbios do sono e o aspartame são possíveis gatilhos de enxaqueca [Med Clin North Am. 2001;85(4):911]. Todos os prováveis ​ gatilhos da enxaqueca, exceto o aspartame, também foram gatilhos gerais de dor de cabeça.


Há evidências de que o glutamato monossódico (encontrado em muito alimentos, sempe leia os rótulos) é um gatilho geral de dor de cabeça.


Como melhorar?


Coenzima Q10 e Riboflavina: O interesse na coenzima Q10 e riboflavina para o tratamento da enxaqueca foi provocado pelo papel potencial da disfunção mitocondrial na patogênese da enxaqueca (Neurologist. 2001;7(5):279; Neurology. 1998;50(2):466). Em um ensaio clínico pequeno e aleatório de pacientes com enxaqueca, CoQ10 foi eficaz para a prevenção da enxaqueca [Phytotherapy Research. 1997;11:508 ].


Magnésio: Vários pequenos ensaios controlados randomizados usando formulações variáveis ​​de magnésio oral produziram resultados mistos, com alguns ensaios encontrando um benefício estatisticamente significativo para o magnésio (Headache. 1991;31(5):298).


Não adianta utilizar os melhores tratamentos, se não for esclarecido o gatilho (ou gatilhos) desencadeador(es), além de promovidas as mudanças no Estilo de Vida adequadas a cada caso. Exercícios aeróbicos, relaxamento, terapias cognitivo-comportamentais, acupuntura e meditação são alternativas.


Vale lembrar que alguns alimentos podem ser desencadeadores de enxaqueca. Exames de hipersensibilidade (IgG) podem auxiliar no diagnóstico e tratamento de uma forma ainda mais personalizada. Como há relação do intestino com o cérebro, a avaliação mais integral do paciente pode ajudá-lo a melhorar sua condição.


Procure ajuda profissional para o diagnóstico, tratamento e prevenção adequados. Muitas vezes, a solução não estará nos medicamentos mais caros, e sim na melhoria dos gatilhos desencadeadores.


Av. Tancredo Neves, 2915, CEO Salvador Shopping, Torre Nova Iorque, sala 1702 - Caminho das Árvores - Salvador, BA, Brasil - 41820-021

Drª. Ivia Magalhães

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

© 2020 por Ivia Magalhães.